sábado, 17 de novembro de 2012

Noite

Às vezes, sento e escrevo. Vez ou outra, gosto. Tento outra vez e mais uma! A convite da Ana, fui a um sarau... poemas, música. Gente que acredita na palavra, gente que começa a descobrir. Algumas surpresas... e eu escrevo, enquanto ouço. Como aqui estão só os amigos, posso abusar!

A boemia?
É boa! 
boa de poesia 
boa de dose,
boa de gente.
A boemia? É boa!

boa de sonho,
de noite,
de amantes.
A boemia?
é boa de gente que canta
e dança na esquina,
canta no bar de porta fechada,
aberto à dança da vida.
A boemia?
É boa, boemio...
boa à beça!




E ao poeta que perdeu seu poema...

Poema perdido

Estará sob o chapéu?
Na garrafa de cerveja?
Na rua, na esquina? 
O poema perdido me procurará?
O poema perdido na noite boêmia, vazia, de São Paulo...
O poema perdido do poeta em busca do poema
nos cantos,
encantado no papel que caiu,
perdeu-se,
deu-se para quem não sabendo
achará a poesia.


Até mais...






6 comentários:

  1. Um misto de emoção,orgulho...um prazer enorme ,tive ontem no Sarau quando vc criou coragem e foi ao microfone falar do momento,do que sentia, coisa de poeta que cria na hora e participa.Aplaudida durante e no final da apresentação com um "UAL" do poeta do "Poema Perdido",seguido por outros,bons de palavra, no encontro de poetas ainda não descobertos.Em frente Elaine,escreva sempre a qualquer momento!Bj

    ResponderExcluir
  2. A boemia da Elaine ...
    É boa?
    Sua poesia é boa
    Poesia
    Boemia
    Elaine Boêmia!

    ResponderExcluir