terça-feira, 28 de fevereiro de 2017

Casa vazia



Casa vazia

Gosto muito do texto de Eclesiastes 3, que fala do tempo.

“Tudo tem o seu tempo determinado e há tempo para todo propósito debaixo do céu.
Há tempo de nascer e tempo de morrer; tempo de plantar e tempo de arrancar o que se plantou; tempo de matar e tempo de curar; tempo de derribar e tempo de edificar; tempo de chorar e tempo de rir; tempo de prantear e tempo de saltar de alegria; tempo de espalhar pedras e tempo de ajuntar pedras; tempo de abraçar e tempo de afastar-se de abraçar; tempo de buscar e tempo de perder; tempo de guardar e tempo de deitar fora; tempo de rasgar e tempo de coser; tempo de estar calado e tempo de falar; tempo de amar e tempo de aborrecer; tempo de guerra e tempo de paz (...)”

Já aviso aqui, sinto necessidade de avisar, antes de continuar, que leio a Bíblia desde do tempo da faculdade de Letras. Acredito que nenhum professor de literatura que se preza, deva deixar essa leitura de lado. Não sou religiosa, sou leitora!

Minha amiga tinha uma casa cheia. Família constituída. Mãe, pai, filhas. Tudo foi se acabando rapidamente, sem que pudéssemos fazer nada. Só resta a filha mais velha. Uma querida menina. Está lutando sua luta no dia a dia vazio. Era uma casa cheia de música, risos, projetos. Problemas que existiam eram contornados ou resolvidos, conforme a generosidade de cada um. 

Nossa vida, vamos vivendo como se nunca houvesse mudança. Acreditamos na permanência, temos esperança nela.

Um dia, a casa estará vazia. Mudanças, morte. Aquilo que conhecíamos já não responde como sempre. Voltamos à noite, e, na sala, ninguém espera para o jantar. Temos de fazer o jantar para um... 

Não se trata de escolher viver só, trata-se de perceber que tudo tem um tempo.

Agora ela está só. A irmã, muito jovem, se foi. A mãe se foi e o pai resolveu, por conta própria, deixar a casa vazia. Ela está só e chorou pela primeira vez sozinha.

Eclesiaste me ensina... para tudo há um tempo. 

Espero que o tempo da solidão seja breve. Que a casa, outra casa, se erga e seja plena de projetos, sonhos, música...

Há um tempo de derribar e tempo de edificar.

Que assim seja!





2 comentários:

  1. Rita de Cássia Caparroz P Belmudes28 de fevereiro de 2017 15:22

    Elaine, prazer visitar esse espaço, ler um texto seu. O tempo é na narrativa o elemento que mais me seduz e o TEMPO, o tema que mais me assombra na arte e na vida. Vivamos todos os tempos!! Bj

    ResponderExcluir
  2. Obrigada pela visita, Rita! Você é uma dessas pessoas que cruzou rapidamente minha vida e ficou... nos episódicos encontros virtuais, mas para sempre!

    ResponderExcluir